Esboço mal desenhado de algo incerto...

Publicado  quarta-feira, 2 de junho de 2010

Desde que estabelecemos que vamos começar a desenhar aquilo que chamaríamos de cenas, tenho ficado feliz e ao mesmo tempo muito tenso com tudo que tem sido desenvolvido. Assim como os atores que não sabem exatamente o que farão e tem às vezes vagas ideias do que fazem, o mesmo também me acontece. Tenho um roteiro a seguir na minha cabeça, que tento colocar em prática dentro da sala de corpo dando ao elenco uma pequena pedrinha, uma pequena sugestão, para que eles possam lapidar. E então sento e espero o retorno deles, porém quando me é devolvido, recebo uma avalanche de pedregulhos, e aí é que eu me sinto caótico, pois é preciso estar muito ligado para não perder nada do que é mandado, e ter a sensibilidade e visão para saber peneirar tudo isso e colocar em cena. E dessa maneira, esboçamos rascunho de cenas. A saber:

Entrada do público, soam as 3 campas do teatro. Entra o solista e canta um trecho da música sozinho com um foco sobre ele. Pausa na música, entra o coro coreográfico que acompanha o solista no segundo trecho da música. E então a máquina entraria e engoliria todos, o coro passariam a ser as peças defeituosas da máquina, enquanto o solista ficava sozinho tentando terminar de cantar, até que a equipe de reparo entra para tentar dar jeito na confusão, arrumando as peças trocando-as de lugar. Então um técnico pedia que todos parem. E diz que todos fiquem quietos, porém eles passam a argumentar com o técnico, virando um grande bate-boca. Então entra um dos dirigentes da fabrica, e de forma agressiva e violenta, faz com que todos voltem a trabalhar, e exige que o primeiro lote de produtos fique pronto. Então acontece a primeira cena da família.

Isso já foi mais ou menos riscado, falta ainda decoupar e mexer muito, mas acho que para uma apresentação parcial isso já está de bom tamanho.

Segue aqui sugetões de músicas para o espectáculo:
"A Voz da Tela" de Oswaldo Montenegro e Márcio Guimarães, sugerida pelo Ilaroque. Que pode ser a abertura da primeira cena.

"What I've been looking for" de High School Musical. Acredito que essa música tem totalmente o tom para o inicio, pois é alegre, lembra muito algumas músicas da broadway, e dentro do espectáculo cria um perfeito tom parodial.

"Cosmic Love" de Florence and the machine, sugerido pela Marília. Imagino que possa ser usada para um trabalho de percussão corporal de movimento da máquina, como o barbatuque que a Alma vem trazendo.

"Rogério Skylab" diversas músicas. Sugerida pelo Haroldo, acho que é uma das nossas referências base para a música (assim como Ionesco está para dramaturgia e Magritte para a plástica). As letras são ótimas, e acredito que deve ser exatamente o que devemos fazer com as nossas letras (exceto para a primeira cena).

Sugestões para luz:
Para a iluminação do espetáculo, acredito que podemos ir buscar na pesquisa da Pofa. Iara com a Gambiarra. Acho que pra nossa proposta, podemos trabalhar com luz de segurança (aquelas que acendem quando falta luz), giroflex, entre outras. Os focos do teatro poderiam entrar somente na primeira cena, ou talves durante algumas cenas chaves.



Sugestões para a cenografia:
Acredito que podemos trabalhar com o conceito de tubulação, que lembra a máquina, fábrica, mas mesmo assim deixa um pouco em aberto. A ideia é trabalhar com vários níveis/pisos, onde os atores possam subir, se pendurar e construir cenas fora do chão. Construir um espaço Magritteano com tubos de aço.


Sugestões para projeção:
Acredito que ao invés daquela tela branca comum, podemos fazer a projeção num monte de guarda-chuvas (brancos ou prateados) abertos, que poderiam se encaixar nos tubos, de modo que cobrissem todos eles, e formasse ume espécie de tela para projeção do vídeo. E ainda poderíamos ter um segundo vídeo, sendo exibido numa pequena tela de LCD usado como uma máscara (como no clipe "No Shelter" do RATM) por um ator, mostrando imagens da face das pessoas do público, ou de pessoas conectadas pela Internet por meio de Skype, MSN ou Chatroulet, de modo que essas pessoes pudessem interagir com a encenação.


No mais é isso... Evoé!

3 comentários:

Cézar disse...

muita bom o esboço da idéia!! quanto ao comentário do início, não esqueça que se está lidando com a maioria (ou minoria não sei) de iniciantes... Se os "experientes" já tem dificuldades, imagina os que estão começando. Eu andei olhando uns trechos de "Tempos Modernos" de Chaplin e "Metrópole" pra ver se me ajuda um pouco. Quems abe não sai alguma inspiração. Saudações!!!!

Cézar disse...

se quizeres, posso gravar e levar pro encontro

Marckson de Moraes disse...

interessante a indicação de luz, mas a idéia é mostrar um caos urbano, pois tenhu como referencia o caos: sirenes, luzes de emergencia. esse tipo de coisa. na verdade se precisa definir a temperatura da cena. e como quer se mostrar a cena, se de forma realista, ilusionista, metafórica, ai podemos articualr os ideias qto a iluminação, penso eu.